Disciplinas‎ > ‎

Geologia Ambiental

Objetivos
Capacitar o aluno no entendimento do diagnóstico dos problemas ambientais e compreensão de suas causas e prognósticos de futuras consequências e o desenvolvimento de soluções para as intervenções humanas no ambiente.
A parte prática da disciplina, composta de investigação em campo, tem como finalidade desenvolver a capacidade do aluno em identificar, caracterizar e avaliar impactos ambientais positivos e negativos de um determinado empreendimento ou intervenção numa específica área.
 
Docente(s) Responsável(eis)

295480 - Denise de La Corte Bacci
 
Programa Resumido

 
Programa
Evolução dos conceitos e definições da Geologia Ambiental e relação com a Geologia de Engenharia.
Objetivos e áreas de atuação da Geologia Ambiental.
Processos naturais de alteração da superfície: terremotos, vulcanismo e a relação com a presença do ser humano.
Mudanças climáticas e variabilidade (passado, presente e futuro) sob a perspectiva geocientífica.
Causas naturais e antrópicas das mudanças climáticas.
Efeito estufa e aquecimento global.
Protocolo de Kioto e medidas para redução dos gases do efeito estufa.
Estudo dos Processos Naturais que ocasionam acidentes no Brasil: escorregamentos e processos correlatos, erosão, enchentes/inundações, subsidência e colapso de solo em áreas cársticas, solos colapsíveis, solos expansivos e sismos. Conseqüências e riscos dos processos erosivos costeiros, fluviais e eólicos naturais e antrópicos com exemplos.
Áreas de Riscos Geológicos.
Conceitos de acidente, evento, risco, suscetibilidade e riscos geológicos.
Classificação de Riscos: riscos potencial e atual, riscos ambientais, naturais, antrópicos, entre outros.
Gerenciamento de Riscos Geológicos.
Prevenção dos acidentes geológicos.
Obras de engenharia e alterações nos ambientes e processos naturais.
Tecnógenos: registro da ação geológica humana.
Estudo de casos brasileiros.Gerenciamento de Resíduos - conceito de resíduo sólido, problemas ocasionados por resíduos sólidos e situação no Brasil.
Classificação de Resíduos.
Gerenciamento de Resíduos.
Estudo para seleção de locais de disposição de resíduos.
Planejamento territorial urbano e rural: definição, técnicas utilizadas na elaboração de cartas geotécnicas.
Avaliação de Impacto Ambiental e sua importância.
Histórico da evolução de estudos ambientais no Brasil e no mundo.
Conceitos de significância, degradação, remediação, reabilitação, restauração e recuperação.
Impactos ambientais em empreendimentos e áreas delimitadas geograficamente.
Conceituação de Diagnóstico Ambiental e importância para avaliação de impactos ambientais.
Diagnóstico ambiental do meio físico, biológico e sócio-econômico.
Metodologia de Avaliação de Impacto Ambiental.
Estudos de Impacto Ambiental e Relatório de Impacto Ambiental (EIA;Rima).
Relatório Ambiental Preliminar (RAP).
Relatório de Controle Ambiental (RCA) e Plano de Controle Ambiental (PCA).
Plano de Recuperação de Áreas Degradadas (PRAD).
Legislação Mineral, Legislação Ambiental Federal e estaduais.
Resoluções do Conselho Nacional de Meio Ambiente.
Sistema Nacional de Unidades de Conservação.
Monitoramento Ambiental.
Definição de medidas mitigadoras e de controle ambiental.
Formas de avaliação das medidas mitigadoras e de controle ambiental.
Elaboração de Planos de Monitoramento Ambiental Licenciamento Ambiental.Licenciamento ambiental na legislação federal. Procedimentos para Licenciamento ambiental no Estado de São Paulo.
Estudos de Casos de Avaliação de Impactos Ambientais.
Empreendimentos locais (minerações e loteamentos), empreendimentos regionais (rodovias e gasodutos) e empreendimentos em áreas delimitadas geograficamente (bacia hidrográfica e áreas metropolitanas).
Disciplina com 4 aulas de campo aos sábados ou domingos.
CARGA HORÁRIA TOTAL DAS AULAS DE CAMPO: 15 HORAS.
 
Avaliação
     
Método
Aulas teóricas. Aulas práticas.
Critério
Provas.
Norma de Recuperação
Provas. A Nota final será calculada conforme a seguinte fórmula: Nf = (Ma + Nr)/2
Ma = média final da disciplina; Nr = nota da prova de recuperação
 
Bibliografia
     

ABNT (ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS). Degradação do solo: terminologia, NBR 10.703. 1989.
BATES, R.L. & JACKSON, J.A. (Eds). Glossary of Geology. 3 ª ed. Alexandria: American Geological Institute, 1987. 788p.
BITAR, O.Y. (Coord.) et al. (1995. Curso de Geologia Aplicada ao Meio Ambiente. São Paulo: Publ. ABGE/IPT. Série Meio Ambiente)
COATES, D.R. Environmental geology. New York: John Wiley & Sons, 1981. 701p.
FLAWN, P.T. Environmental geology: conservation, land use, planning and resource management. New York: Harper & Row Pub., 1970. 313p.
GUERRA, A.T. Dicionário Geológico-Geomorfológico. 4ª ed. Rio de Janeiro: Secretaria de Planejamento da Presidência da República, Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 1975. 439p.
HOWARD, A.D. & REMSON, I. Geology in environmental planning. New York: McGraw-Hill, 1978. 478p.
KELLER, E.A. Environmental geology. 8ª ed. Columbus: Upper Saddle River, N.J : Prentice Hall, 2000.562 p.
MARCOVICH, J. Para entender o futuro. 2006. EDUSP.
MONTGOMERY, O.C.W. Environmental geology. 3ª ed. Dubuque: WM. C. Brown Publishers, 1992. 465p.
OLIVEIRA, A.M.S. (1990) Limites ambientais do desenvolvimento: geociências aplicadas, uma abordagem tecnológica da biosfera. São Paulo: ABGE. Artigo Técnico.
Pipkin, B. W., Geology and the Environment, 1st edition
REIS, F A G V. Curso de geologia ambiental utilizando técnicas de educação a distância via internet /. Rio Claro : [s.n], 2001. 173 f. il., tabs., + 01 CD-ROM.
REIS, F A G V.: Aplicação da metodologia da problematização em disciplinas de engenharia ambiental /. Tese de Doutorado. IGCE. Rio Claro : [s.n.], 2005.
RUIZ, M.D. & GUIDICINI, G. Introdução. In: OLIVEIRA, A.M.S. & BRITO, S.N.A (Eds.). Geologia de Engenharia. São Paulo: Associação Brasileira de Geologia de Engenharia (ABGE), 1998. p.01-05.
SANCHEZ, L.E. Avaliação de Impacto Ambiental.Conceito e Métodos. Ed. Oficina de Textos. 2006.
SIEGNERMARTIN, C.L. Geologia de áreas urbanas: o exemplo de Ribeirão Preto, SP. São Paulo, 1979. 2v. 126p. +10 mapas. Tese de Doutoramento - Instituto de Geociências, Universidade de São Paulo.
SOUZA, C.R.G. et al. Quaternário do Brasil. Ribeirão Preto. Holos, Editora, 2005.
SVMA - Secretaria do Verde e do Meio Ambiente. Atlas ambiental do Município de São Paulo - o verde, o território, o ser humano: diagnóstico e bases para a definição de políticas públicas para áreas verdes no Município de São Paulo / coordenação de Patrícia Marra Sepe e Harmi Takiya. 2004.