Disciplinas‎ > ‎

Metodologia do Ensino de Geociências e Educação Ambiental I

Objetivos
- Estabelecer vínculos entre a universidade e as escolas sobretudo públicas através de estágios.
- Refletir sobre a educação e o ato de educar a partir da relação entre teoria e prática, entre o saber acadêmico e o saber escolar.
- Discutir o papel das Geociências e da Educação Ambiental na formação de professores e alunos.
- Analisar propostas curriculares e os parâmetros curriculares nacionais do MEC.
- Analisar e avaliar projetos e experiências multidisciplinares e interdisciplinares que envolvam conteúdos de Geociências e propostas de Educação Ambiental.
- Analisar concepções teóricas e metodológicas sobre ensino e aprendizagem relacionadas ao Ambiente.
- Analisar, produzir e utilizar recursos didáticos e diferentes linguagens sobre o ensino e aprendizagem nessas áreas.
- Promover o ensino e aprendizagem de Geociências e de propostas de Educação Ambiental através de projetos colaborativos, cooperativos e interdisciplinares.
-
 
Docente(s) Responsável(eis)

5983069 - Ermelinda Moutinho Pataca
 
Programa Resumido
O curso busca constituir um trabalho coletivo e colaborativo, integrando discussões teóricas e metodológicas relacionadas aos estágios de modo a sensibilizar os alunos para a prática docente. Considerar o estágio como momento importante de preparação à docência e como oportunidade ímpar de estudo, investigação, acompanhamento e participação do contexto educativo da escola básica. O curso visa também compreender o significado dessas áreas no Ensino Básico e seus propósitos educacionais. Analisar propostas e pareceres curriculares oficiais. Trabalhar com metodologias convencionais e inovadoras, desenvolver projetos disciplinares, multidisciplinares e interdisciplinares, fazendo uso variado de linguagens e recursos didáticos. O que ensinar? Como ensinar? Para que ensinar conhecimentos de Geociências, tendo como meta a Educação Ambiental deve ser preocupação permanente durante o desenvolvimento da disciplina e dos estágios.
 
Programa
- O papel das Geociências no Ensino Fundamental e Médio e sua relevância social.
- O Estágio Supervisionado – conceito, importância e diretrizes gerais.
- As diferentes concepções de currículo - a concepção oficial de currículo.
- O saber acadêmico de Geociências e a construção do conhecimento escolar.
- A natureza do conhecimento de Geociências e Educação Ambiental e seu papel na formação dos alunos.
- O papel da educação na construção de novos padrões de comportamento na relação entre sociedade e meio natural.
- O papel das atividades práticas no campo, em laboratório, nas aulas e a assimilação de conceitos em Geociências.
- Métodos convencionais e inovadores de ensino e aprendizagem nessas áreas e a produção didática e para-didática.
- A diversificação de linguagens, recursos didáticos e sua aplicação no ensino, (experimentação/manipulação de situações e equipamentos, interpretação de fotos aéreas e imagens de satélites, literatura, música e filmes).
 
Avaliação
     
Método
Aulas dialogadas, seminários, apresentação das práticas escolares e dos projetos de ensino efetivados no Ensino Básico, entrevistas e palestras de professores convidados.
Critério
Participação nas atividades do curso, apresentação oral e escrita dos relatórios e trabalhos realizados nas práticas pedagógicas no Ensino Fundamental e Médio.
Norma de Recuperação
De acordo com o calendário escolar.
 
Bibliografia
     

BRASIL, MEC. Ministério da Educação. Secretaria do Ensino Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais, terceiro e quarto ciclos do Ensino fundamental. Introdução aos Parâmetros Curriculares Nacionais. Ensino Fundamental. Brasília: 1996.
BRASIL, MEC. Ministério da Educação. Secretaria do Ensino Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais, Ensino fundamental. Introdução aos Parâmetros Curriculares Nacionais. Ensino Médio. Brasília: MEC, 2002.
CARVALHO, Isabel Cristina de Moura. Educação Ambiental: a formação do sujeito ecológico. São Paulo, Cortez, 2004.
COMPIANI, Maurício. As Geociências no Ensino Fundamental: um estudo de caso sobre o tema: a formação do Universo. Tese de Doutorado. Campinas: Ed. do Autor.
DREW David. Processos Interativos Homem- Meio Ambiente. 3a. ed. Trad. João Alves dos Santos. Rio de Janeiro, Bertrand do Brasil, 1994.
FAZENDA, I. C. A. Interdisciplinaridade - Um projeto em parceria. São Paulo: Loyola, 1991.
FLORENZANO, T. G. Imagens de Satélite para Estudos Ambientais. São Paulo: Oficina de Textos, 2002.
GONÇALVES, C. W. Os (Des) Caminhos do Meio ambiente. São Paulo: Contexto, 1989.
GOODSON, I. Currículo, Teoria e História. Trad. de Attílio Brunetta. 4 ed. Petrópolis-RJ: Vozes, 1995.
KRASILCHIK, M. Educação ambiental na escola brasileira – passado, presente e futuro. Ciência e Cultura, v. 38, n.12, p.1958-61, 1986.
SALGADO – LABIRIAU. História Ecológica da vida. 2a. ed. rev. São Paulo, Edgard Blücher, 2004.
NOAL, Fernando Oliveira et al. (Orgs). Tendências da Educação Ambiental Brasileira. Santa Cruz do Sul, RS, EDUNISC, 1998.
PONTUSCHKA, N. N. (Org.) Ousadia no Diálogo. Interdisciplinaridade na Escola Pública. 4. ed. São Paulo: Loyola, 2002.
_____ Um Projeto... Tantas Visões – Educação Ambiental na Escola Pública. São Paulo: FEUSP e AGB- São Paulo, 1996.
SCHOBBENHAUS,C.; CAMPOS, D.A.; QUEIROZ, E.T.; WINGE, M; BERBERT-BORN, M.L.C. (Edit.). Sítios Geológicos e Paleontológicos do Brasil. DNPM/CPRM - Comissão Brasileira de Sítios Geológicos e Paleobiológicos (SIGEP) - Brasília 2002; 554p.; ilust. http://www.unb.br/ig/sigep/sitios.htm#Vol1
VYGOTSKY, L. S. A Formação Social da Mente. Trad. José Cipolla et al. São Paulo: Livraria Martins Fontes, 1989.
_____ Pensamento e Linguagem . Trad. Jeferson Luiz Camargo. São Paulo: Livraria Martins Fontes, 1991. (publicado originalmente em 1934).
ZABALA, Antoni. (org.). Como Trabalhar os Conteúdos Procedimentais em Sala de Aula. Porto Alegre: ARTMED, 1999.