Disciplinas‎ > ‎

Práticas Escolares, Contemporaneidade e Processos de Subjetivação

Objetivos
O desafio analítico da disciplina é o de contextualizar, tomando como base o legado foucaultiano e de outros autores de matriz pós-estruturalista, a complexidade sócio-histórica que designa o mundo contemporâneo consubstanciada nas práticas escolares e nas relações entre seus protagonistas. Desse modo, pretende-se sedimentar um solo conceitual capaz de oferecer novas perspectivas teórico-práticas (de teor pós-crítico, especificamente) no que se refere aos desafios do trabalho docente na atualidade.
 
Docente(s) Responsável(eis)

95192 - Julio Roberto Groppa Aquino
 
Programa Resumido
A disciplina, na perspectiva aqui adotada, visa propiciar uma análise crítica – do ponto de vista pós-estruturalista – de algumas tendências sócio-culturais presentes nos modos de subjetivação atuais, procurando analisar, em particular, suas atualizações no cotidiano escolar. Para tanto, propõe-se a circunscrever teoricamente dois eixos temáticos complementares: os processos de subjetivação no mundo contemporâneo e suas repercussões nas práticas escolares.
 
Programa
I. Os discursos sobre a escola contemporânea
II. Subjetividade e (pós-)modernidade: problematizações
III. A hipótese foucaultiana: a sociedade disciplinar
IV. Governamentalidade, biopoder e biossociabilidade
V. As políticas atuais de subjetivação e o governo do eu
VI. As sociedades de controle e suas repercussões
VII. A educação na vertente pós-crítica
VIII. A escola contemporânea e os novos dispositivos de subjetivação
IX. Para além do sujeito da educação
X. A docência e a filosofia da diferença
 
Avaliação
     
Método
• Aulas expositivas dialogadas
• Debates coletivos a partir dos textos
Critério
• Trabalhos escritos e outras atividades programadas
• Trabalhos de conclusão de curso individuais ou em duplas
Norma de Recuperação
• Revisão/aprofundamento do trabalho de conclusão individual
 
Bibliografia
     

ARAÚJO, I. L. Foucault e a crítica do sujeito. Curitiba: Ed. UFPR, 2001.
AQUINO, J.G. Instantâneos da escola contemporânea. Campinas: Papirus, 2007.
_______. Indisciplina: o contraponto das escolas democráticas. São Paulo: Moderna, 2003.
_______. Do cotidiano escolar: ensaios sobre a ética e seus avessos. São Paulo: Summus, 2000.
AQUINO, J.G.; SAYÃO, R. Em defesa da escola. Campinas: Papirus, 2004.
BAUMAN, Z. Identidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2005.
________. Globalização: as conseqüências humanas. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.
________. Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.
________. O mal-estar da pós-modernidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998.
CASTELO BRANCO, G.; PORTOCARRERO, V. (orgs.) Retratos de Foucault. Rio de Janeiro: Nau, 2000.
COMTE-SPONVILLE, A. A felicidade, desesperadamente. São Paulo: Martins Fontes, 2001.
CORAZZA, S. Artistagens: filosofia da diferença e educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2006.
________. Para uma filosofia do inferno na educação: Nietzsche, Deleuze e outros malditos afins. Belo Horizonte: Autêntica, 2002.
CORAZZA, S.; TADEU, T. Composições. Belo Horizonte: Autêntica, 2003.
COSTA, R. “Sociedade de controle”. São Paulo em perspectiva, v.18, n.1, 2004, p.151-160.
DELEUZE, G.; PARNET, C. Diálogos. São Paulo: Escuta, 1998.
DELEUZE, G. Conversações. São Paulo: Trinta e quatro, 1992.
DREYFUS, H.; RABINOW, P. Michel Foucault, uma trajetória filosófica. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1995.
DUBET, F. “A formação dos indivíduos: a desinstitucionalização”. Revista Contemporaneidade e Educação, v.3, 1998, p.27-33.
––––––. “Quando o sociólogo quer saber o que é ser professor”. Revista Brasileira de Educação, n.5-6, 1997, p.222-231.
FONSECA, M. A. Michel Foucault e a constituição do sujeito. São Paulo: EDUC, 2003.
FOUCAULT, M. “O sujeito e o poder”. IN: DREYFUS, H.; RABINOW, P. Michel Foucault, uma trajetória filosófica. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1995, p.231-249.
––––––––––. A hermenêutica do sujeito. São Paulo: Martins Fontes, 2004.
––––––––––. Estratégia, poder-saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2004.
––––––––––. Ética, sexualidade, política. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2004.
––––––––––. Em defesa da sociedade. São Paulo: Martins Fontes, 1999.
__________. A verdade e as formas jurídicas. Rio de Janeiro: Nau, 1996.
__________. Vigiar e punir: o nascimento da prisão. Petrópolis: Vozes, 1987.
__________. História da Sexualidade I – a vontade de saber. 7.ed. Rio de Janeiro: Graal, 1985.
GALLO, S. Deleuze & a educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2003.
FREIRE COSTA, J. “O sujeito na saúde coletiva” [VHS].
FRIDMAN, L. C. Vertigens pós-modernas. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2000.
GADELHA COSTA, S. S. “Educação, políticas de subjetivação e sociedades de controle”. IN: MARCONDES, A.; FERNANDES, A.; ROCHA, M. (orgs.) Novos possíveis no encontro da psicologia com a educação. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2007, p.15-36.
GARCIA, M. M. A. “O intelectual educacional e o professor críticos: o pastorado das consciências”. Currículo sem fronteiras, v.2, n.2, 2002, p.53-78.
GIDDENS, A. Mundo em descontrole. 3.ed. Rio de Janeiro: Record, 2003.
________. Modernidade e identidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2002.
HALL, S. Identidade cultural na pós-modernidade. 8.ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2003.
HARDT, M. “A sociedade mundial de controle”. IN: ALLIEZ, E. (org.) Deleuze: uma vida filosófica. Rio de Janeiro: Trinta e Quatro, 2000, p.357-372.
LARROSA, J. Nietzsche e a educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2002.
________. Pedagogia Profana: danças, piruetas e mascaradas. Belo Horizonte: Autêntica, 2001.
LIPOVETSKY, G. A era do vazio. Lisboa: Relógio d’água, 1989.
MAIA, A.C. “Biopoder, biopolítica e o tempo presente”. IN: NOVAES, A. (org.) O homem-máquina. São Paulo: Companhia das Letras, 2003, p.77-108
MORAES, T.D.; NASCIMENTO, M.L. “Da norma ao risco: transformações na produção de subjetividades contemporâneas”. Psicologia em estudo, Maringá, v.7, n.1, 2002, p.91-102.
NARDI, H.C.; SILVA, R.N. “A emergência de um saber psicológico e as políticas de individualização”. Educação & Realidade, v.29, n.1, 2004, p.187-197.
Ó, J.R. O governo de si mesmo. Lisboa: Educa, 2003.
PASSETI, E. “Segurança, confiança e tolerância: comandos na sociedade de controle”. São Paulo em perspectiva, v.18, n.1, 2004, p.161-167.
PELBART, P.P. Vida capital: ensaios de biopolítica. São Paulo: Iluminuras, 2003.
_________. A vertigem por um fio: políticas da subjetividade contemporânea. São Paulo: Iluminuras, 2000.
_________. “Subjetividades contemporâneas”. Subjetividades contemporâneas. São Paulo: Instituto Sedes Sapientae, ano 1, n.1, 1997, p.4-11.
POL-DROIT, R. Michel Foucault: entrevistas. Rio de Janeiro: Graal, 2006.
PORTOCARRERO, V. “Instituição escolar e normalização em Foucault e Canguilhem”. Educação & Realidade, v.29, n.1, 2004, p.169-185.
RABINOW, P. Antropologia da razão. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1999.
RABINOW, P.; ROSE, N. “Considerações acerca do conceito de biopoder hoje”. IN: http://www.molsci.org/files/Rose_Rabinow_Biopower_Today.pdf
RAGO, M.; ORLANDI, L. B. L.; VEIGA-NETO, A. (orgs.) Imagens de Foucault e Deleuze. Rio de Janeiro: DP&A.
REVEL, J. Michel Foucault: conceitos essenciais. São Carlos: Claraluz, 2005.
RIBEIRO, R.J. org.). Recordar Foucault. Rio de Janeiro: Editora Brasiliense, 1985.
ROSE, N. “Como se deve fazer a história do eu”. Educação & Realidade, v.26, n.1, 2001, p.33-57.
_____. “Governando a alma: a formação do eu privado”. IN: SILVA, T. T. (org.). Liberdades reguladas. Petrópolis: Vozes, 1998, p.30-45.
_____. “Inventando nossos eus”. IN: SILVA, T. T. (org.) Nunca fomos humanos. Belo Horizonte: Autêntica, 2001, p.137-204.
SCAVONE, L.; ALVAREZ, M.C.; MISKOLCI,R. (orgs.) O legado de Foucault. São Paulo: Editora da UNESP, 2006.
SILVA, S. L. (2002) Diário de aulas. Braudel Paper n.31. www.braudel.org.br/publicacoes/bp/bp31_pt.pdf.
SILVA, T. T. (org.) Liberdades reguladas: a pedagogia construtivista e outras formas de governo do eu. Petrópolis: Vozes, 1998.
______. (org.) O sujeito da educação. Petrópolis: Vozes, 1994.
VARELA, J.; ALVAREZ-URIA, F. “A maquinaria escolar”. Teoria & Educação, n.6, 1992, p.68-96.
VEIGA-NETO, A. Foucault & a educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2003.
____________. “Pensar a escola como uma instituição que pelo menos garanta a manutenção das conquistas fundamentais da modernidade”. IN: COSTA, M.V. (org.) A escola tem futuro? Rio de Janeiro: DP&A, 2003, p.103-126.
____________. “De geometrias, currículo e diferenças”. Educação & Sociedade, ano XXIII, n.79, 2002, p.163-186.
VEIGA NETO, A. (org.) Crítica pós-estruturalista e educação. Porto Alegre: Sulina, 1995.

REVISTAS:
Foucault pensa a educação. São Paulo: Segmento, 2007.
Deleuze pensa a educação. São Paulo: Segmento, 2007.